25 de abril de 2011

Faxina




Hoje eu fiz uma faxina.

Espanei a poeira
e as teias de aranha acumuladas.
Tirei o cheiro de mofo que impregna áreas mal ventiladas .

Revirei as gavetas 
e recantos mais obscuros do armário.
Do fundo do baú sacudi lembranças tolas e amarrotadas.

Lavei toda a roupa suja. 
Em casa.
Nódoas desbotadas insistem em macular o alvo tecido.

 
O que não me serve,
já não quero mais,
não há porque ser guardado.

Joguei cartas fora,
rasguei velhas fotos, 
queimei promessas de amor abandonadas.

Hoje eu faxinei a alma.

13 de abril de 2011



Do fundo do poço recolho moedas 
desejos alheios 
foram ou não realizados...