9 de setembro de 2009

Verde esperança




Era só uma menina,
que da vida não sabia,
inocente e pequenina
política não conhecia.

Passatempos poucos tinha,
mas tudo era brincadeira
desenhava até no verso
do santinho do Gabeira.

Isso foi há muito tempo
a campanha era a primeira
promovida por meu pai
feita à sua maneira.

Um santinho diferente
não trazia seu retrato
frases bem inteligentes
representavam-no de fato.

Pois o tempo foi passando
a menina foi crescendo
aos pouquinhos foi mudando
e as malícias conhecendo.

Se desencantou do mundo
de tanto só ver sujeira
o desgosto foi profundo
mas sacudiu a poeira.

Fim da última campanha
que não foi a derradeira
numa multidão tamanha
encontrou com o Gabeira.

Veja só como cresceu
disse o nobre candidato
e a gente envelheceu
completou todo gaiato!

Parecia garantida
a tão esperada vitória.
Seria uma nova vida?
Mudaria nossa história!

Numa única jogada
a esperança foi embora...
Gente que não vale nada
tirou dele a sua hora?

Só que a esperança é verde,
mesma cor do seu partido,
mesma quando a gente a perde
sempre acaba ressurgindo.

Esperança nunca morre
vamos dar volta por cima,
quem tem coragem não corre,
hoje eu torço por Marina.

Uma humilde seringueira
que veio lá da floresta
defende o verde bandeira
dessa gente que não presta.

Sei que as chances são pequenas
de comemorar vitória
isso não será problema
pois na luta está a Glória!

O poder do bem não falha
a guerra nunca é perdida
mesmo perdida a batalha
ficaremos na torcida!

A menina, já mulher,
decidida, firme e forte,
está pro que der e vier
cara Marina, boa sorte!

Nesse sistema falido,
que chamam democracia,
já mais morto do que vivo
eu fico com a utopia!

E um viva a Anarquia!!!

17 comentários:

  1. Je peux dir que sont tres jolie
    Very fine blog and photos
    Agapitos from Greece
    http://aeromodelling-agapitos.blogspot

    ResponderExcluir
  2. Obrigada!
    Thank you!
    Merci!
    ευχαριστώ

    Fiquei sem saber em que lingua responder!!!

    ResponderExcluir
  3. SALVE FILHA, ASSIM VC ME MATA DO CORAÇÃO!É ISSO AÍ, QUEM VIVE DO CORAÇÃO CORRE ESSE RISCO... LINDO, BEAUTIFUL, PORRETA! SÓ NÃO GOSTEI DE TER ERRADO O CAMINHO (PRA VARIAR) E ESSE GREGO TER SIDO O PRIMEIRO COMMENT...RSRSRSR... JÁ MANDEI PARA O NIK, PARA TERESA E PRA NELIA. ESTOU DEM O EMAIL DO GABEIRA AQUI, ASSIM QUE ACHAR MANDO PRA ELE. BBBJJJSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS PAPP

    ResponderExcluir
  4. Viu só? O Blog ficando internacional, rsrsrsrs...
    Mas não importa, você é o primeiro pra mim!!!
    Que bom que gostou! Obrigada!
    Bjo enorme!!!

    ResponderExcluir
  5. Kamala,




    Os cariocas perderam a chance e conhecer Gabeira num cargo executivo. Será que os eleitores brasileiros já merecem uma Marina Silva?!






    Beijos,







    Marcelo.

    ResponderExcluir
  6. Noite!
    Belo poema - delicado, mas decidido!
    Na forma e conteúdo, ritmo é tudo!
    Abraços, tudibom nos caminhos...

    ResponderExcluir
  7. viva!
    como meu pai é espanhol, único país que viveu sem governo durante um breve período, dizem
    "hay govieno? soy contra!"
    hexâmetros e pentâmetros no poema.

    abraços,

    Gustavo

    ResponderExcluir
  8. Marcelo, infelizmente perdemos essa oportunidade no Rio, as chances são pequenas dos brasileiros elegerem Marina, mas como o título do poema já diz...

    Raul, obrigada! Tudibom em seus caminhos também!

    Gustavo, um abraço anarquista!

    A todos, muito obrigada!

    ResponderExcluir
  9. Mais uma vez você me surpreendeu. Poeta eu já descobri, não tem muito tempo, mas o suficiente para perceber seu potencial. Agora, essa verve política eu não conhecia, mas gostei.
    beijos

    ResponderExcluir
  10. Pois é querida da política eu fujo, mas ela tão presente não aceita ser ignorada e volta e meia, volta inteira!
    Bjão!

    ResponderExcluir
  11. Querida Kamala veja só como seu poema mexeu comigo.

    Eu filha da ditadura
    Com a infância esmagada
    Naquele tempo a cana era dura
    Só via cartazes com a cara marcada

    Tempos de cadáver no Guandu
    Kennedy assassinado
    Leila Diniz morta em Katmandu
    e um povo estagnado

    Aí veio a abertura
    e eu adolescente
    Saímos da apertura
    a esperança era latente

    Veio então o Gabeira
    e o partido Verde
    entrei firme e fagueira
    queria matar minha sede

    Aí descobri o pior, o horrível
    que aquilo por que tantos lutaram
    Voltou a ser roubado, é incrível
    foi tudo em vão

    Agora precisamos nos preocupar
    falta água, aquecimento global
    bolsão de lixo no oceano a navegar
    e todo o planeta indo mal

    Espero pelos
    Aymaras Khiaro e Kaiuá
    que um dia
    a esperança possa voltar


    Um beijo sua comadre Nélia

    PS: não sou poeta fiz esta brincadeira para dizer para você não perder a esperança que como nós existem muitas Kamalas e Nélias esperando só o momento de poder um dia levantar de vez essa bandeira do VERDE.

    ResponderExcluir
  12. Obrigada cumadre!
    Adorei o poema!
    Bjo grande!

    ResponderExcluir
  13. quando fui encaminhar, a pedido, para Luis Rosenberg, cineasta, irmão de fé e ofício, senti falta do EM CENAS,cuja(!) print ele leu ao lado do espelho onde "postei", gostou muito. vale acrescentar. Bj Papp

    ResponderExcluir
  14. Oi Papp,
    Em Cenas esta nos arquivos de agosto.
    Bjo.

    ResponderExcluir
  15. Salve gatona! Mandei hoje Verde Esperança pro postal do Fernando G. no facebook. Bjs Papp

    ResponderExcluir
  16. leila sallum06 novembro, 2010

    Kamala,me lembro de vc,com seus olhos desconfiados,escondida atrás da sua mãe,lá em Santa.Pensei:esta menina tem.E olha aí;tem mesmo.A cigana mais uma vez não se enganou.bjs Leila

    ResponderExcluir
  17. Obrigada pela visita Leila!
    Acabei levando ela de volta pra Santa...
    Bjo!

    ResponderExcluir